Toda a emoção de Francisco Félix ao ouvir seu nome como campeão do rodeio de Barretos de 2005. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Toda a emoção de Francisco Félix ao ouvir seu nome como campeão do rodeio de Barretos de 2005. (Fotos: Arquivo Pessoal)

Ás vésperas do início da 60ª Festa do Peão de Barretos, que acontece de 20 a 30 de agosto, a Coluna pega carona num texto cheio de emoção, escrito pela jornalista Carla Prado Silveira, mulher do ex-peão de rodeio Francisco Félix, 32 anos, o Cisquinho.

Há dez anos, em agosto de 2005, o cowboy rio-pretense vencia o rodeio na arena de Barretos, entrando para o hall da fama dos destemidos que fizeram e fazem história na maior festa do peão da América Latina. A propósito da festa, o lançamento da edição 2015 será nesta quarta (29),  no Espaço das Américas, em São Paulo.

Um grande evento está sendo preparado para turbinar o lançamento, que terá shows das duplas Henrique & Diego (dona de um dos maiores hits da atualidade, a música “Suíte 14″),  Henrique & Juliano, Edson & Hudson, João Neto & Frederico,  Zé Neto & Cristiano, Roby & Thiago, Gilberto & Gilmar, Bruninho & Davi, além do rapper Mc Guimê, e do cantor Thiago Brava.

Na ocasião, também será apresentado o cartaz comemorativo aos 60 anos da Festa de Barretos, desenvolvido pela agência McCann, do publicitário Washington Olivetto. O cartaz foi escolhido pelo público após uma ação nas redes sociais.

A seguir, o texto de Carla Prado Silveira relembrando os 10 anos da vitória de Francisco Félix e publicado originalmente na revista “Os Independentes”. Em tempo: longe das montarias, Félix é hoje agropecuarista e representa uma marca de fivelas argentinas – dessas que ornamentam os cintos e as vitórias dos peões de boiadeiro. É dura a vida do trapezista nostálgico…

O Sonho de vencer Barretos

Félix cumprimenta o gigantesco público na Arena do Parque do Peão.

Félix cumprimenta o gigantesco público na Arena do Parque do Peão.

“Ei, Barretos, ei Barretos bão. Amanhã eu vou embora, te levo no coração.O ano que vem eu volto pra cantar e divertir, junto com a peonada outra vez estou aí. Aos peões o meu abraço, viva os independentes. O ano que vem estou em Barretos novamente. Tem gauchada dançando, tem fandango no galpão, tem catira no tablado cultivando a tradição……..

Quantas composições como essa, de Pedro Bento e Zé da Estrada, retratam o amor à Festa do Peão de Barretos, conhecida nacionalmente como o melhor e maior rodeio da América Latina.

Para o público, a Festa de Barretos é a mais esperada de todas. Assim é também para o peão, competidor, atleta do rodeio.

Disputar o maior rodeio do Brasil, independente do prêmio, é o sonho de qualquer caubói. Montar no rodeio de Barretos é como ser um jogador de futebol e disputar a copa do mundo.

As portas se abrem para o campeão do rodeio de Barretos!

Aquele rodeio que era difícil para conseguir uma inscrição, se torna fácil. Todos os outros rodeios passam a disputar a presença do campeão do rodeio da maior Festa do Peão Boiadeiro do Brasil.

A trajetória não é fácil. Na arena, todos os competidores buscam o mesmo ideal, o duelo é acirrado, mas o gosto da vitória é incomparável. Assim aconteceu com o competidor Francisco Félix, de São José do Rio Preto (SP). Ele sentiu o sabor da vitória quando conquistou o título de campeão em 2005, nos 50 anos do evento.

Francisco participou do Qualify em 2005, rodeio classificatório, e foi o campeão, assegurando uma vaga para montar no Barretos International Rodeo. Ele se manteve invicto em todas as montarias, foi o único competidor a parar em todos os touros, total de oito touros. Contando o Qualify e o Internacional, foram sete dias sem cair de nenhum animal. 

No pódio, o rio-pretense sagrava-se campeão com apenas 22 anos.

No pódio, o rio-pretense sagrava-se campeão com apenas 22 anos.

O que parecia impossível trouxe a ele fama, glória e muitas outras oportunidades, como participar do mundial de montarias em touros, nos Estados Unidos, a convite do tricampeão mundial Adriano Moraes. O caubói ganhou uma camionete no valor de 150 mil reais, mas garante que a vitória foi muito mais valiosa.

“Vou carregar o título comigo para sempre, diferente do prêmio”, disse ele. A cena do pai entrando na arena, após a vitória do filho, é sem dúvidas umas das imagens mais marcantes do rodeio daquele ano.

Porém, na Festa do Peão de Barretos não é só o caubói que ganha a fama, o touro que proporciona o título de vencedor também passa a ser muito requisitado em outros rodeios. O animal conquista fama e prestigio. O touro Armagedon, da Cia. João Ribas, por exemplo, que proporcionou a Francisco Félix a vitória, já morreu, mas deixou seu nome marcado para sempre no maior rodeio da America Latina.

Os cavalos, que participam das provas como Cutiano, Bareback, Sela Americana e Três Tambores, também entram no rol dos mais valiosos e requisitados.

Em Barretos é assim, as cortinas se abrem e as montarias proporcionam ao público, dos quatro cantos do país, o que há de melhor no esporte rodeio. Para o público, um espetáculo regado de pura adrenalina. Para o competidor, um sonho que proporciona muitas conquistas e oportunidades.

Em 2015, a Festa do Peão de Barretos completa 60 anos e elegerá mais um caubói campeão, que marcará seu nome na galeria da fama. Competidores anônimos junto com os melhores da atualidade, que são convidados do evento, disputarão o lugar mais alto do pódio. Lugar este que abrirá as portas para um novo mundo de fama”.

O que é do homem, o touro não come! Parabéns, Cisquinho!

O que é do homem, o touro não come! Parabéns, Cisquinho!

 

bannerfama