Leão Willie: primeiro mascote de uma Copa do Mundo também foi uma homenagem a Ricardo I, mais conhecido como Ricardo Coração de Leão. (Imagens ilustrativas de divulgação)

Você sabia que o primeiro mascote de uma Copa do Mundo foi criado em 1966 para o campeonato sediado na Inglaterra? Inventado pelo artista Reg Hoye naquele mesmo ano, o leão Willie (foto acima) seria a primeira de uma série de outras figuras (algumas delas bem assustadoras) que dariam o que falar em campo e na imprensa. Abaixo, obedecendo a sequência das Copas, todos os mascotes criados desde então.

Copa do Mundo de 1970, México: Juanito foi o primeiro mascote a ter figura humana. Quédizê, algo parecido com um humano…

Para a Copa da Alemanha Ocidental, em 1974, os artistas responsáveis até tentaram se basear novamente em figuras humanas, mas Tip e Tap ficaram mesmo a cara do Cebolinha e do Oscar Schimidt, ex-jogador de tênis.

Em 1978, Argentina: los hermanos lançaram o “Gauchito, garotinho com cara de quem já usava Dove Barro. Ou protetor solar de pimenta.

1982, Copa do Mundo da Espanha: substituindo as ‘figuras humanas’, os espanhóis criaram o Naranjito, uma laranja que jogava futebol. Daí em diante, a coisa degringolaria…

 

Em 1986, a Copa seria novamente hospedada pelo México, que decrettaram a Pique, a pimenta chili jalapeño como mascote do País.

Em 1990, na Copa do Mundo realizada na Itália, o mascote ganhou ares tecnológicos e nome de Ciao. Muito parecido com um boneco de peças Lego.

Da Itália para os EUA, em 1994, o mascote voltou a ser um animal: o cãozinho Striker não caiu no gosto popular e se não fosse este post, você jamais se lembraria dele…

Mas as coisas piorariam em 1998, na França: uma mistura de galo com nosso pica-pau do desenho animado seria o mascote da então Copa da Mundo dos chiques e refinados franceses. Je sui désolé…

2002 e o mundo do futebol voltava seus olhos para o Japão e Coréia do Sul, que dividiram os jogos daquele ano. Em campo, os mascotes Kaz, Ato e Nik. Ou apenas aquelas geleinhas comestíveis distribuídas nos voos da Gol.

Como os ingleses em 1966, os alemães também escolheram um leão para representá-los em 2006. Goleo (uma mistura de Gol com Leo), acompanhado de uma bola falante, foi mais um ‘bicho’ estranho que irritou os colecionadores de souvenirs.

Os animais típicos dos países voltariam com tudo na Copa da África do Sul, em 2010, que escolheram o leopardo Zakumi como mascote. Muitas crianças choraram ao ganhar o ‘bichinho’ de presente…

Em 2014 foi a vez do Brasil hospedar a Copa, naquele que seria o maior episódio de desvio de verbas, propinas e vergonha alheia de toda a nossa história. Para ‘mascotear’ a tragédia, lançaram o Fuleco, um tatu-bola como representante. Deu no que deu…

Já a Rússia, que hospeda a Copa de 2018, criou o Zabivaka, um lobo com cara de… Bom, deixa pra lá…