Fernando Daguano: sensação de insegurança total. (Foto: Reprodução/Facebook)

Fernando Daguano: sensação de insegurança total. (Foto: Reprodução/Facebook)

“A sensação é das piores”, escreveu Fernando Daguano em seu perfil no Facebook, assim que deixou o trabalho e retornou para casa, na tarde de domingo (8).

O prédio onde ele vive, localizado na Vila Ercília, perto do Automóvel Clube, em Rio Preto, sofreu um arrastão e três apartamentos foram invadidos e furtados. “Não só invadiram meu apartamento e levaram o que eu tinha. Entraram no meu espaço, reviraram minha intimidade, pegaram coisas caras, não pelo valor, mas pelo sentimento”, postou Daguano.

“Os ladrões que invadiram nossos apartamentos usaram uma chave micha e sabiam que não estávamos em casa. Nenhuma porta foi arrombada, eles tomaram cuidado, inclusive, pra não chamar a atenção dos apartamentos que estavam com gente. Tanto é que ninguém percebeu nada diferente”, relatou.

Do apartamento de Fernando, os ladrões levaram roupas, perfumes, TV e relógios. “Os criminosos, pelo jeito, sabem identificar produtos bons. Só furtaram coisas de marca. Mas isso eu trabalho e compro de novo. Tenho capacidade pra isso. Eles é que não têm. Precisam pegar o que não lhes pertence, viver às escondidas, na podridão à sombra do crime. Agem de maneira sorrateira como ratos nojentos”, desabafou.

No prédio, a sensação é de insegurança total. Para Fernando, os bens furtados ganham menor dimensão diante da realidade de insegurança que se descortina com mais esta ação criminosa. “Fico me perguntando até quando nossa segurança será posta à prova? Até quando teremos que aguentar coisas desse tipo? E olha que escolhi morar em apartamento porque sempre acreditei ser mais seguro. Mas hoje se você me perguntar o que é segurança, eu não saberei te dizer”, pontuou o jornalista.

Como diz o sábio poeta das ruas, está mais fácil viver na calçada. É dura a vida do trapezista inseguro…

coluna_beck_20171