Chove no Jockey e a Cantareira agradece...

Muitas ‘cumulus nimbus’ sob o Jockey Club durante o festival Brahma Valley:  a Cantareira agradece… (Fotos: Reprodução/Instagram)

Olar!

Se você não acompanhou a cobertura do Brahma Valley via Snap colunadobeck, cata aqui e agora os highlights do evento, que rolou no fim de semana (28 e 29), no Jockey Club, em São Paulo.

Antes, uma dica amiga: trate de baixar em seu smartphone o Snapchat. É através desse aplicativo bombantchy onde todas as coberturas e notícias têm sido divulgadas primeiro, em real time, faça chuva ou faça escova. Os principais veículos de comunicação do mundo, bem como todo o squad de digital influencers que fazem e acontecem, por exemplo, estão lá neste exato momento, transmitindo tudo in loco. E a Coluna também.

E, porque talvez muita  gente já tenha acompanhado o babado todo via Snap, é bem provável que você já saiba que São Pedro abriu as comportas durante os dois dias de Brahma Valley. Tanta chuva rendeu ao festival de música sertaneja com mistura de pop, rock e funk o apelido de ‘lama valley’ nas redes sociais. Gira.

Fernando & Sorocaba cantam na chuva: e o povo dança, porque ninguém é de açúcar.

Fernando & Sorocaba cantam na chuva: e o povo dança, porque ninguém é de açúcar.

Mas o povo não freou os ânimos por causa do aguaceiro. E quem pensou em fazê-lo foi automaticamente frustrado pelas dezenas de vendedores de capas de chuva – que apareceram do nada, se multiplicando feito gremlins sob a água. Preço do acessório? De R$ 10 a R$ 15. “É pegar ou se encharcar”, gritava uma tia ensopada no meio da multidão, na noite de sábado, minutos antes de o DJ Bob Sinclar assumir as carrapetas da festa. Gira.

Minhas galochas, ninguém sai...

Minhas galochas, ninguém sai…

Segura o touro...

Segura o touro…

Encapados e com lama até os joelhos, o público seguiu pulando, beijando e também reclamando, lógico. Porque festa sem reclamação não é festa. E no Brahma Valley teve crítica pra tudo o que é lado. Cantor sertanejo falando mal dos palcos, famosos e subcelebridades se queixando das áreas VIPs, periguetes nervosas porque a estimativa era a de quatro gays para cada hétero e por aí vai…

Ah, sim, o povo também chiou por causa dos valores cobrados por um copo de cerveja na pista: R$ 10 (o que é muito caro mesmo, vamos combinar!). Enquanto isso, no Camarote da Brahma, o melhor lugar da festa (sempre!), pagantes e convidados se esbaldavam com chopp e cerveja à rodo, comida e sobremesa, massagem e alerta magya à vontade. Gira.

Cata o nível de boy magya à disposição no Camarote da Brahma...

Cata o nível de boy magya à disposição no Camarote da Brahma…

Com modus operandi semelhante ao que se vê no camarote montado pela Ambev na Sapucaí, no Rio, os famosos também ficaram segregados do povo, em um chiqueirinho VIP dominado por seguranças mal-encarados (eles só fazem esse tipo, mas no fundo são gente boa).

Alguns famous, é verdade, circularam além-chiqueirinho e interagiram com o público (ossos do ofício). Aquela coisa de posar para selfie, sorrir meio amarelo e fazer o simpático. Afinal, cachê alto, hotel deluxe e kit Brahma na porta de casa não é pra qualquer um… Gira.

Ronaldo e Celina Locks: casal 'causou' no Camarote da Brahma. (Foto: Walthinho Silva)

Ronaldo e Celina Locks: casal ‘causou’ no Camarote da Brahma. (Foto: Walthinho Silva)

Nesse fluxo, entre o sábado e o domingo de festa,  passaram pelo Camarote da Brahma as cantoras Anitta e Sophia Abrahão (after show); o ator Bruno Gissoni (um fofo que fez snap exclusivo com a Coluna); a promoter Alicinha Cavalcante (também enviou beijos para as migas de Rio Preto); o jogador Ronaldo crush Celina Locks; os atores Joaquim Lopes e Paulinho Vilhena; a sempre baphônica Sabrina Sato (não tem pra japa, néan?); e, claro, a ex-jogadora Hortência, uma querida, a bordo do amigo Fábio Jardine. Gira.

A promoter Alicinha Cavalcante, que viveu um tempo em Rio Preto, também circulou pelo Brahma Valley. (Foto: Walthinho Silva)

A promoter Alicinha Cavalcante, que viveu um tempo em Rio Preto, também circulou pelo Brahma Valley. (Foto: Walthinho Silva)

Quanto aos shows em si, não dá pra dizer qual foi o preferido do público, porque quando o público bebe muito, pode reparar, tudo é lindo e maravilhoso.

Mas a Coluna elencou os melhores através do quesito gritos e delírios. Cata nosso top five: Jads & Jadson, Henrique & Juliano, Lucas Lucco, Fernando & Sorocaba e César Menotti & Fabiano (esses últimos fizeram uma seleção de sertanejo de raíz, tipo hits de Milionário e Zé Rico, que levou o povo aos beijos). Gira.

Hortência e Fábio Jardine relaxam no camarote número 1. (Foto: Walthinho Silva)

Hortência e o amigo Fábio Jardine relaxam no camarote número um. (Foto: Walthinho Silva)

E beijo foi o que também não faltou no Camarote da Brahma. Mas só depois da colocação geral (quando bebe-se muito). Porque antes, enquanto o sol gritava forte no Ray-Ban do boy, o que mais se ouvia era: “Nossa, gente feia paga meia nesse camarote?” Gira.

Outro espaço VIP (mas só no nome) era o Camarote Villa Country, onde comida, bebida e piercing no umbigo eram pagos. E tudo muito caro, diga-se de passagem beeem rápida.

Olha ele: Paulinho Vilhena chega todo camuflado... (Foto: Walthinho Silva)

Olha ele: Paulinho Vilhena chega todo camuflado… (Foto: Walthinho Silva)

O que mais? Claro, você quer saber quem de Rio Preto estava lá e a gente conta: o modelo Hugo Cavalari, visto todo pimpão circulando na pista; as blogueiras Bárbara Brunca e Cacá El Assal; o personal trainer e alerta magya sem Snap, sem Instagram e só com a namorada, Tavinho Duarte;  algumas migues que a Coluna sempre flagra na noitchy rio-pretense (a.k.a. modelos, manequins e que tais…); e dois ou três playbas deslocados (a.k.a. alguém me viu aqui?). Gira.

É dura a vida do trapezista no Cometa rosa. Espie…

Daí que a genchy voltou nesse Cometa mara, todo trabalhado na campanha contra o câncer de mama...

Daí que a genchy voltou nesse Cometa mara, todo trabalhado na campanha contra o câncer de mama…